A má postura é um problema que atinge milhões de pessoas em todas as idades e é facilmente reconhecida. Seus sinais mais comuns são ombros caídos, joelhos dobrados quando se está em pé ou andando, cabeça inclinada para frente ou para trás, dor nas costas e fadiga muscular. A prática de exercícios físicos ajuda a manter a coluna na posição correta, mas o ideal é ter alguns cuidados no dia a dia, como quando se está falando ao celular, assistindo à TV, lendo ou usando tablets ou notebooks.

Posições comuns no dia a dia, que costumam causar dores nas costas, devem ser evitadas, como segurar o telefone com o pescoço, pois isso pode causar torcicolo. Móveis e equipamentos presentes nas estações de trabalho precisam estar em posição adequada, como o monitor do computador, por exemplo, que não pode ficar mais baixo do que a linha de visão para não forçar a coluna cervical. Já os cotovelos têm que estar no nível da mesa, para não sobrecarregar os tendões dos ombros e antebraços.

As coxas devem tocar a maior área possível do assento e as pernas devem estar bem apoiadas no assento e no solo. As costas devem ficar apoiadas completamente no encosto do sofá ou da cadeira.

A escoliose é uma doença que, em geral, não causa dor e se manifesta principalmente por meio de ombros ou quadris assimétricos; coluna vertebral encurvada anormalmente para um dos lados e eventual desconforto muscular. Ela pode estar relacionada a diversas doenças, como, por exemplo, distrofias musculares, malformações congênitas, doenças degenerativas e neurológicas, entre outras.

O tipo de escoliose mais frequente é a chamada idiopática, ou seja, aquela sem causa esclarecida que costuma surgir na adolescência e é predominante nas mulheres, embora também possa surgir em outras épocas da vida e acometer indivíduos do sexo masculino.

A contratura muscular ocorre quando um músculo se contrai de forma muito mais forte do que o normal e permanece contraído, sem passar para a fase do relaxamento, causando muita dor e desconforto. Em alguns casos, o músculo afetado, além de dolorido, pode apresentar um endurecimento, como um caroço. A contratura muscular geralmente ocorre nas regiões cervical, lombar e dorsal da coluna e nas panturrilhas, causando dificuldade em esticar o músculo e em movimentar a articulação ou o membro próximo do músculo dolorido.

Pode estar relacionada à má postura, mas também pode estar relacionada a algumas doenças, como a hérnia de disco.

As dores nas costas estão entre os principais motivos que levam qualquer pessoa procurar o médico. Atualmente, a postura comum no uso dos smartphones, principalmente entre os jovens, causa flexão excessiva do pescoço, que aumenta a pressão sobre os discos intervertebrais cervicais e a tensão entre os ligamentos posteriores. Isto provoca dores por contraturas musculares, processos inflamatórios e favorece o processo degenerativo nos discos.

Os cuidados ergonômicos e posturais no dia a dia podem evitar as dores nas costas, preservando a boa postura nas atividades comuns como sentar-se em frente ao computador, dirigir ou permanecer parado numa fila de banco.

Cuidar da coluna pode ajudar a evitar problemas futuros, que podem ser bem incômodos e doloridos, como a hérnia de disco. Ela ocorre quando parte de um disco intervertebral sai de sua posição normal e comprime as estruturas nervosas da coluna vertebral como a medula e as raízes. A doença costuma ser mais frequente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas que suportam mais carga e estão mais expostas ao movimento. É uma das causas mais comuns de dor lombar e também de dor nas pernas. Ela decorre de um processo degenerativo do disco intervertebral, que tem relação genética e com fatores ambientais como sedentarismo, obesidade e tabagismo.

Os sintomas mais comuns da hérnia de disco são dor nas costas ou no pescoço, contratura muscular, dor irradiada para pernas ou braços, formigamento, dormência, fraqueza e até paralisia dos membros inferiores ou superiores.

As fraturas vertebrais da coluna torácica e lombar são normalmente associadas a traumatismos graves causados por acidentes em geral, mas também podem ser causadas por traumas leves como quedas domésticas em pacientes portadores de osteoporose. As fraturas podem afetar a medula espinhal e raízes nervosas causando déficits neurais.

Os sintomas de fraturas vertebrais complexas podem incluir dor ou o desenvolvimento de déficits neurais, tais como fraqueza, adormecimento, formigamento e choque neurogênico. Já as fraturas dos processos espinhosos ou transversos podem ocorrer como resultado de um trauma direto ou contração muscular. São consideradas lesões de baixa energia assim como as fraturas do corpo vertebral em portadores de osteoporose. Estas lesões geralmente não estão associadas com déficits neurológicos.

As lesões com envolvimento neurológico podem levar a lesão neurológica parcial ou completa ou ainda à ocorrência do chamado Choque Medular, ou seja, a perda temporária da atividade reflexa da coluna vertebral que ocorre abaixo de uma lesão, total ou quase total da medula espinhal.

A coluna é o local do esqueleto mais suscetível à ocorrência de tumores. Estes tumores podem comprimir a medula espinhal ou suas raízes nervosas ou danificar a estrutura óssea provocando fraturas. Os casos de metástases de coluna vertebral vêm crescendo em decorrência do aumento da sobrevida dos pacientes com câncer, o que é fruto de um diagnóstico precoce e de tratamentos mais eficientes.

Atualmente o câncer na coluna conta com diversas inovações diagnósticas nas áreas de patologia, radiologia e medicina nuclear, e também inovações terapêuticas como novas técnicas de radioterapia, inclusive a possibilidade de radioterapia intraoperatória, além de avanços cirúrgicos, como as técnicas minimamente invasivas.